A união de forças das polícias civil e militar foi apontada na audiência pública de Paraíso, na noite desta terça-feira, 12, como o melhor caminho para combater o crime e a violência na cidade. O evento contou com a participação de autoridades políticas, comunitárias, integrantes da policia civil e militar, empresários e comerciantes. O debate é uma iniciativa da Comissão de Segurança Pública, em atendimento à classe comercial, que, por meio da Acip – Associação Comercial e Industrial de Paraíso, reclama o enfrentamento de problemas de segurança que têm afetado os estabelecimentos locais.

Durante a reunião, presidida pelo deputado Nilton Franco (PMDB), foi apresentada “Carta Aberta Acip – Paraíso reage” com reivindicações da comunidade para amenizar a violência e a criminalidade, em Paraíso.  Entre os pedidos estão a criação da guarda municipal e de delegacias especializadas de ciências criminais e repreensão ao narcotráfico, Deic e Denarc; a construção de um complexo de polícia e de uma central de flagrantes.

Foram solicitados ainda a implantação de unidades para cumprimento de medidas socioeducativas para menores infratores e reeducandos; intensificação de blitz; monitoramento de vídeos nas principais áreas públicas; de postos policiais nos setores Jardim Paulista, Vila Milena e Pouso Alegre; da polícia comunitária, com plantões permanentes; e também a criação de comitês de discussão, de conselho municipal de segurança pública e de disque cidadão e ouvidoria.

Em resposta às reivindicações, o coronel Edvan de Jesus, da Polícia Militar, afirmou que o 8º Batalhão já está preparando ações com foco na apreensão de drogas, armas e veículos furtados, com o apoio da população, para combater os crimes. Ele apontou algumas ações previstas para serem realizadas com esse objeto como a intensificação de blitz e de patrulha escolar, como medidas de prevenção e de combate aos roubos  nas ruas.

Já o secretário de Estado, César Simoni, ressaltou que as solicitações já são contempladas com ações da Secretaria de Segurança Pública no sentido de implantar delegacias especializadas, Deic e Denarc, até julho de 2018, assim como o complexo de polícia judiciária e cientifica e central de flagrantes. Simoni admitiu as falhas de segurança na cidade e disse que o número de agentes é insuficiente, apesar das nomeações ocorridas nesse ano e do esforço do Governo para aumentar o quadro com vistas a atender a demanda do município.

Os deputados Nilton Franco e Osires Damaso, assim como o prefeito Moisés Avelino, elogiaram a participação da comunidade e o interesse em resolver os problemas, por meio do debate democrático e de sugestões, e prometeram apoio às polícias para o cumprimento das ações. 

A audiência também contou com a participação do vice-prefeito de Paraíso, Celso Moraes; do delegado regional da Polícia Civil, José Antonio da Silva; do presidente da Acip, Roberto Carlos Costa Maia;  do promotor de Justiça, Thiago Vilela; do presidente regional da OAB, Valdemir Brito;  do presidente da Câmara de Vereadores, JC; além de demais vereadores e secretários municipais. (Maisa Medeiros)